Sergio Reis - Filho adotivo

Loading...

Roberto Carlos & Convidados - Um Milhão de Amigos

Loading...

Roberto Carlos e Erasmo Carlos no Maracanã: Amigo (11/07/2009)

Loading...

Fábio Jr - Pai (videoclip original)

Loading...

Translate

NAQUELA MESA - NELSON GONÇALVES - (1974)

Loading...

Nelson Gonçalves Quando eu me chamar saudade

Loading...

RELÓGIO, HORÁRIO NO BRASIL.

RESPEITEM AS CRIANÇAS!

RESPEITEM AS CRIANÇAS!
CRIANÇA NÃO É LIXO.

CONHEÇA AS MEMÓRIAS DO MUNICÍPIO SANTO ANTÔNIO DE JESUS!

Clique no segundo link à direita do monitor, na lista de blogs!

FUNDAÇÃO DO CLUBE DE XADREZ SANTO ANTÔNIO DE JESUS, BAHIA, BRASIL:

06.04.2002.

Seja bem-vindo! Sua visita é de número:

NÚMERO DE FOTOGRAFIAS E IMAGENS: 535.

O CXSAJBA AGRADECE AOS COLABORADORES, PELAS 536 FOTOGRAFIAS E IMAGENS, DE SUAS REFERÊNCIAS.
PROFESSOR FÁBIO MOTTA (ÁRBITRO DE XADREZ).

OBJETIVO DESTE BLOG:

NESTE BLOG TEM O PROPÓSITO DE RESGATAR VALORES HUMANOS, ATRAVÉS DE HOMENAGENS E LEVAR CIDADANIA, POIS CIDADANIA É COMPOSTA DO TRIPÉ: A) CONHECER AS LEIS; B) CUMPRIR OS DEVERES; C) REVINDICAR OS DIREITOS. PROF. FÁBIO MOTTA (ÁRBITRO DE XADREZ).

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

586ª Homenagem: Senhora Maria José de Souza - Parabéns!

Receba uma declaração de amor carinhoso e muita paz entre mãe, irmãos, filho; neta, sobrinhos, cunhados e amigos.

Data inesquecível: 7 de Janeiro de 1955, às sete (7) horas da manhã, dia de muita chuva, relâmpagos e trovoadas. Nasceu na casa dos meus sogros: Senhor Cassiano e Senhora Mocinha, os quais, eu chamava de ´´meus pais´´. Dona Mocinha mandou meu esposo Joãozinho fazer uma cobertura em cima de mim e de meus filhos, por motivo da trovoada, naquela marquesa da tala, onde todos conhecem.

Casada  em 15 de Dezembro de 1948, com João Hipólito de Souza, daí vêm o primeiro filho, chamado, Manoel José de Souza (Zito); a segundo bebê, Maria do Amparo de Souza (Pretinha); o terceiro bebê: Maria Isabel de Souza (Ninha); quarto bebê: Maria José de Souza (Zezé), esta que está presente conosco, sendo a aniversariante; quinto bebê: Jorge Luiz de Souza (Luizinho), sendo estes do primeiro casal. Segunda Família: Primeiro bebê: Wilma Telma de Almeida Souza; segundo bebê: José Augusto de Souza; terceiro bebê: Marcos Giovane de Souza; quarto bebê: Luizália Marilda de Souza (´´Nega``); quinto bebê: Nilson Ubiracy de Souza (Neném); sexto bebê: Silvany Patrícia de Souza, que não encontra-se entre nós, como todos sabem. Sendo que hoje (31.1.2015) estes bebês são pais e avós.

Zezé nasceu na casa dos avós paternos, onde eu morava junto com meu esposo João, tenho muito carinho, por todos os meus filhos, como Zezé parecia muito com sua avó, o pai dela colocou o seu nome, Maria José de Souza, pela qual, sua avó ficou muito satisfeita e orgulhosa. Até certo tempo, o nosso casamento estava indo bem, por via do destino, tivemos de nos separar, Sempre fomos amigos de todos da família dele. Amigos até o seu último dia - referente ao meu primeiro esposo Joãozinho.

O pessoal do Andaiá, onde nós morávamos, dizia que nós, o casal, era muito bonito e unido. Por via do destino, houve a separação. Apesar de tudo, hoje considero-me uma pessoa humilde, querida e amada por todos.

A vida continua, meus dez filhos, netos, bisnetos e amigos!

Quero dizer-te Zezé: - Tu és a minha filha caçula do primeiro casal.

Estou dando este depoimento com muito amor, carinho, sofrimento, tudo isto, faz parte de minha vida e as dificuldades que passei. Tudo isto faz parte de meu destino.

Zezé, neste momento, é o dia mais feliz dos seus sessenta anos que está completando, que está aqui presente, esta linda, maravilhosa, boa filha, mãe, tia, avó, esposa e amiga de todos. Tudo que tu fazes é o bem de todos, como todos conhecem.

Estive na Lavagem do Senhor do Bonfim (em 15.1. 2015), e fiquei com as baianas. Foi o dia mais feliz da minha vida, até aquele momento. Fiz muitas preces ao Senhor do Bonfim, para que Ele tome conta de todos. Agradeço, de todo o coração, em ter muita saúde, paz e amor a todos, principalmente, a quem mais te ajudou, nesta luta do seu aniversário. Tua irmã Pretinha que está sempre te ajudando, nesta luta.

Vamos cantar os parabéns para nossa querida Zezé!

Beijos e abraços de todos nós que estão presentes e os ausentes também.

Texto elaborado, pela Senhora Rozália de Souza Britto e agradecendo a presença de todos  os presentes e ausentes, que por motivos superiores, não puderam vim.

Beijo carinhoso de sua Mãe Rosália.

Texto elaborado por sua Mãe Rosália e digitado pelo Prof. Fábio Motta (Árbitro do Jogo de Xadrez).


585ª Homenagem: Senhora Rozália de Souza Britto.

Senhora Rozália de Souza Britto teve dezoito filhos, trinta e oito netos e vinte e dois bisnetos.

Senhora Rozália nasceu em Santo Antônio de Jesus, na data 4 de Setembro de 1932.

Muito amada e querida, seus familiares, amigos e vizinhos têm Senhora Rozália, como um exemplo a ser seguido, em conduta, caridade, solidariedade e horadez. Católica Apostólica Romana, muito religiosa, transborda paz e felicidade em sua aura.

Senhora Rozália é uma excelente costureira e prendadíssima. Faz bordados, tricô, artesanato completo. Um talento artístico incontestável. Sem vícios e um farol de sabedoria para os jovens; os adolescentes e crianças.

Senhora Rozália é um anjo que tem em Santo Antônio de Jesus.

Seu amor não tem limites e presta homenagens aos filhos e netos.

Parabéns!

Prof. Fábio Motta (Árbitro de  Xadrez).'.

584ª Homenagem: Procuradora de Justiça, Drª Olga Laert Blanco Quesada.

Filha do Engenheiro Civil Sancho Laert Costa e Senhora Euvira Costa Laert Costa.

Dra. Olga Laert estudou advocacia na Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia.
Uma estudante dedicada ao amor pelo Direito e muito bem educada, aprendeu piano e acordeon.

A Procuradora de Justiça, Doutora era sensível à arte musical.

Doutora Olga Laert, antes de ser Promotora de Justiça, advogou por dois anos, na Capital Baiana, Salvador. Em seguida, Doutora Olga foi aprovada no Concurso ao cargo da Promotoria, em 1958.

Doutora Olga Laert recebeu uma consolidada formação; possuidora de bom caráter; personalidade exemplar; apaixonada pela natureza, defendia os animais; às crianças; à sociedade e os bons costumes.

Doutora Olga não aceitava presentes em troca de sua atuação profissional. Ela fechou casas de prostituição, que estivessem menores de idade.

Doutora Olga não aceitava injustiça e atuou contra aqueles que contrariavam às leis vigentes no Brasil. Muito séria, em decorrência do machismo nas décadas de 50, 60, 70 e 80 do Século XX, precisou ser rígida, com a finalidade de ser respeitada, como autoridade do Ministério Público do Estado da Bahia.

A Doutora Olga Laert tornou-se Procuradora do Estado da Bahia, por tempo de serviço, não devendo favores aos poderosos políticos e empresários.

Doutora Olga Laert contrariou os interesses ilegais dos prepotentes poderosos, chegando a ser ameaçada de morte e necessitou portar um revólver em sua bolsa e ser protegida pelo seu esposo, o espanhol, Senhor Gonzalo Laert Blanco, Bacharel de Direito e Professor de História.

Doutora Olga Laert educou seu filho, com uma rígida disciplina, que causou felicidades em seu lar.
Doutora Olga Laert, juntamente com seu esposo, o Bacharel em Direito Dr, Gonzalo educaram tão bem seu único filho, que possui o mesmo nome do pai, que o seu filho é um honesto e íntegro advogado, sem vícios; apreciador de virtudes e gozador. O pai e o filho sempre foram amantes do Jogo de Xadrez.

Nem mesmo a Ditadura Militar no Brasil, nas décadas de 60, 70 e 80 do Século XX, não conseguiu destruir a solidez da referente família.

Doutora Olga Laert foi vitoriosa, em todos os aspectos e certamente, a vitória das vitórias, foi seu legado de conduta, honradez, rigidez e disciplina, em que os maiores favorecidos foram as futuras gerações de sua família e as partes das causas jurídicas.

Parabéns ao espírito da falecida Doutora Olga Laert, Procuradora de Justiça do Estado da Bahia.

Pesquisado e Postado, pelo Prof. Fábio Motta (Árbitro de Xadrez).'.
 

domingo, 7 de dezembro de 2014

583ª Homenagem: José Carlos Motta (Zé Carlos Motta).

Pesquisado e Postado, pelo Prof. Fábio Motta (Árbitro de Xadrez).'.

Referência:

http://www.portalfolha.com/gerais/araci-de-luto-morre-jose-carlos-mota/


O último adeus do povo de Araci ao ex-prefeito Zé Carlos

Um patriarca da sociedade política de Araci que viveu grandes momentos na história da legislatura e executiva do município.
Por: Gidalti Moura Fotos: Do Karmo Carvalho

José Carlos Mota faleceu aos 83 anos
A Câmara Municipal de Vereadores de Araci abriu suas portas para receber o povo que ali chegou para assistir as homenagens a José Carlos Mota como manda o ritual das casas legislativas quando morre um ente público que desempenhou mandatos legislativos.
As dependências da câmara foram insuficientes para comportar a quantidade de pessoas que queriam dar seu último adeus ao político chamado “Zé Carlos” que naquela casa exerceu três mandatos de vereador. José Carlos Mota exerceu também a presidência da Câmara em um de seus mandatos. Foi vice-prefeito, prefeito e ocupou cargos de primeiro escalão em governos como secretário municipal.
Familiares, parentes e amigos tiveram a oportunidade de escutar traços de sua trajetória como cidadão e político através de uma biografia escrita pelo biógrafo Antônio Pinheiro e lida da tribuna pelo ex-vereador Jailton Vila Nova Pinheiro. A cerimônia de homenagens póstumas da câmara foi aberta pelo presidente vereador Edivaldo Pinho que depois de saudar a todos falando do momento especial que se registrava naquela casa, oportunizou a Jailton o momento para ler a biografia do vereador e ex-prefeito.
O presidente chamou à tribuna a prefeita Nenca que por alguns minutos de muita emoção falou de sua convivência com Zé Carlos como seu vice-prefeito no mandato que juntos exerceram de 2001 a 2004. A prefeita misturou o pranto, as lágrimas e as palavras por todo seu pronunciamento, levando todos os presentes a viverem momentos de profunda emoção. A maneira de como a prefeita falava dando seu último adeus a Zé Carlos era como um testemunho de um relacionamento que transcendia uma simples amizade. Era como um pai, um amigo, um companheiro, um conselheiro para mim, resumia Nenca o que Zé Carlos foi para ela como pessoa e como mulher política.
Das despedidas da câmara, o cortejo tomou a Rua Sete de Setembro, passando em frente ao paço municipal onde Zé Carlos passou parte de seus dias comandando os destinos de município de Araci como prefeito.
No cemitério São João Batista onde seu corpo foi sepultado, as últimas homenagens e o cerimonial religioso realizado pelo padre Márcio Brito ficaram como um marco na memória de todos os que estavam naquele último momento. “Não estamos aqui simplesmente sepultando nosso irmão José Carlos Mota, estamos enterrando uma semente que deverá brotar e frutificar entre nós que ficamos vivos, como uma preparação para vivermos uma vida em favor dos outros como foi à vida de Zé Carlos”, disse em sua máxima o padre Márcio.
José Carlos aos 83 anos deixa a vida na cidade de Feira de Santana onde estava internado no dia 30 de abril às 09h00 para entrar na história do município de Araci, como poucos terão tal registro, na história do executivo municipal e na história do legislativo.
Uma multidão prestou as últimas homenagens à Zé Carlos na Câmara de Vereadores.
Com muita emoção parentes e amigos deram o último adeus Zé Carlos.
A prefeita Nenca, emocionada e com lágrimas no rosto, também prestou sua homenagem
O cortejo passou em frete a prefeitura, onde José Carlos comandou o município
A mesma multidão que esteve na Câmara de Vereadores acompanhou o cortejo até o cemitério
No cemitério São João Batista aconteceu o cerimonial religioso realizado pelo padre Márcio Brito.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

582ª Homenagem: Assessora Elayne Diniz.








Pesquisado e Postado pelo Prof. Fábio Motta (Árbitro de Xadrez).

Referência:

Fotos da Assessora Elayne Diniz.

Referência das Fotos:  https://www.facebook.com/ElayneDiniz?fref=ts

Pesquisado e Postado, pelo Irmão Prof. Fábio Motta (Árbitro de Xadrez).

Referência:

https://www.facebook.com/AssessoraElayneDiniz?fref=ts


     A Assessora de Imprensa Elayne Diniz é uma profissional muito dedicada. Profissional de excelente qualidade; fazendo coberturas na Capital João Pessoa; no interior do Estado da Paraíba; na Região Nordeste; no Brasil e no exterior.

     Elayne trabalha muito com dedicação. Ela gosta muito dos animais e é atenciosíssima aos seus pais.

     A Assessora Elayne trata muito bem os entrevistados e  respeita o seu público. Elayne comporta-se muito bem e suas reportagens e postagens nos sites possuem a leveza do entretenimento.. Esta competentíssima profissional, é muito ética e difunde os Esportes; os Desportos e as Artes.

     Os seus textos são excelentes, pois não tem aspectos que desagradem aos entrevistados e ao público.

     Parabéns!

     Irmão Prof. Fábio Motta (Árbitro de Xadrez).

 
     Observação: Alguns dos seus trabalhos, como Assessora de Imprensa Elayne Diniz:

     https://www.facebook.com/AssessoraElayneDiniz?fref=ts

     https://www.facebook.com/ElayneDiniz?fref=ts

domingo, 16 de novembro de 2014

581ª Homenagem: Cruz Cordeiro, Colunista de Disco do Brasil.

Pesquisado e Postado, pelo Prof. Fábio Motta (Árbitro de Xadrez)






Dados Artísticos

Em 1928, juntamente com Sério Alencar Vasconcellos, criou a "Phono Arte", "Primeira Revista Brasileira do Phonographo", dedicada a notícias e críticas aos lançamentos das gravadoras, como também aos lançamentos cinematográficos. Inaugurou, assim, a crítica sistemática da música popular e erudita no Brasil. A revista foi editada até o número 50, sempre com grande sucesso. Em 1931, ingressou na RCA Victor, como publicitário e orientador artístico, cargos que ocuparia até 1936, quando teve que aposentar-se por motivo de doença. Em 1938, recuperando-se de grave doença, escreveu o romance "Uma sombra que desce", publicado no ano seguinte, pela editora Cultura Moderna. Em 1939, colaborou com a revista "Cine-Rádio Jornal", de Celestino Silva, escrevendo sobre música popular, da qual se tornou um dos principais críticos. Nessa revista utilizou também o pseudônimo de Tupiniquim. Em 1940, escreveu o trabalho "A Ortografia dos Vocábulos Indígenas e Afro-negros", publicado no jornal crítico literário "Dom Casmurro", de Brício de Abreu. Em 1941, publicou artigos na revista "Diretrizes", de Samuel Wainer. Passou a ser colaborador efetivo da "Revista Filológica", na qual ficaria té 1944. Colaborou com a Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, na qual publicou os trabalhos "Os Fundamentos Econômicos nas Origens dos Nomes Brasil e América" e "Terminações Mineralógicas". Tornou-se também colaborador do suplemento literário do "Diário de Notícias", do Rio de Janeiro, escrevendo temas linguísticos, filológicos e da música popular e folclórica brasileira. Em 1942, teve seu trabalho "A Língua Brasileira" publicado na Revista do Brasil. Em 1945, ingressou como colaborador nos "Diário Associados", de Assis Chateaubriand, escrevendo sobre linguística, filologia, folclore e música popular brasileira, para o suplemento literário de "O Jornal". Em 1955 e 1956, foi colaborador da Revista da Música Popular Brasileira, sendo convidado por Lúcio Rangel a escrever sobre música popular brasileira. Em 1956, foi autor da marcha "Gargalhada", classificada na I Semana da Música Popular Brasileira, promovida pela revista Radiolândia. Em 1957, passou a colaborar como o suplemento literário do "Jornal do Commércio". Em 1964, firmou parceria artística e financeira com o filho Silva Cordeiro, para a gravação de um disco com duas músicas de cada um, interpretadas pelo cantor Bruno Villaça. Suas composições nesse disco foram o samba "Cadência" e o bolero "Angelita". Em 1966, foi um dos fundadores do  Conselho Superior de Música Popular Brasileira do Museu da Imagem e do Som, criado por Ricardo Cravo Albin, estruturador do museu, para votar nas personalidades que deveriam fazer depoimentos para a posteridade e para eleger os melhores do ano através dos prêmios Golfinho de Ouro e Estácio de Sá. Em 1976, concedeu longa entrevista ao jornalista Sérgio Cabral, publicada no jornal O Globo sob o título: "Cruz Cordeiro: O primeiro colunista de discos do Brasil".

Referências:

Jornal O Globo.
http://www.dicionariompb.com.br/cruz-cordeiro/dados-artisticos


580ª Homenagem: Professora de Dança Manuella Conrado.


Amiga Manuella Conrado: Bailarina Profissional e Professora de Ballet.

MANUELLA CONRADO, DANÇARINA E BAILARINA PROFISSIONAL.
MANUELLA CONRADO É PROFESSORA DE BALLET.
ELA INTEGROU O CORPO DE BALLET DA BANDA LIMÃO COM MEL.



















A Professora de Dança Manuella Conrado tem inúmeras qualidades:
Possuidora de Educação Doméstica; Educação Escolar; Educação Religiosa.
Manuella, profissional dedicadíssima à dança.
Parabéns!

Prof. Fábio Motta (Árbitro de Xadrez).',


Referências:

http://albumdefotosdefabiomotta.blogspot.com.br/2013/05/amiga-manuella-conrado-bailarina.html